Username:

Password:

Perdeu a Password? / Ajuda

Tag: A Canção de Lisboa

0

Cottinelli Telmo

16 José Ângelo Cottinelli Telmo nasce em Lisboa, a 13 de Novembro de 1897 Estudou Arquitectura na Escola de Belas Artes de Lisboa, curso que completou em 1920. No decorrer do curso colaborou com a Lusitânia-Film na produção dos filmes Mal de Espanha e Malmequer, de Leitão de Barros, realizados em 1918. Tendo colaborado na construção em 1932, do estúdio da Tobis, no bairro do Lumiar, em Lisboa, aí realizou, no ano seguinte, A Canção de Lisboa, que teve a participação de Vasco Santana, António Silva, Beatriz Costa e de Manoel de Oliveira. Foi o primeiro filme sonoro de longa-metragem inteiramente produzido em Portugal, que no cinema português se tornou modelo de humor. Foram no entanto as suas obras arquitectónicas que o tornaram verdadeiramente conhecido. No início da carreira, em 1922, concebeu o Pavilhão de Honra da Exposição do Rio de Janeiro e mais tarde, em 1929, o Pavilhão Português da Exposição de Sevilha. A fábrica da Standard Eléctrica, na Junqueira, em Lisboa, e a cidade universitária de Coimbra foram obra sua. Concebeu grande parte dos projectos arquitectónicos de edificações ferroviárias do seu tempo. Idealizou o edifício de passageiros de Barcelos, em Vila Real de Santo António e a torre de sinalização do Pinhal Novo, entre outros. Foi o arquitecto-chefe da Exposição do Mundo Português, em 1940. Traçou o plano da Praça do Império e da sua Fonte Monumental e ainda o Monumento aos Descobrimentos, assim como a Porta da Fundação. De 1938 a 1942 foi director da revista Arquitectos. Morreu em Cascais a 18 de Setembro de 1948 devido a um acidente marítimo. cottinelli
0

Fotos do filme «A Canção de Lisboa»

 

(Beatriz Costa e António Silva numa cena do filme «A Canção de Lisboa»)

(Silvestre Alegrim no papel de empregado do Retiro do Alexandrino)

(Vasco Santana e Manoel de Oliveira)

0

Fotos do filme «A Canção de Lisboa»

 

(A cena final: Teresa Gomes de pé ao lado de António Silva, Beatriz Costa e Vasco Santana)

(Manoel de Oliveira e Ana Maria)

(Vasco Santana e Beatriz Costa)

(Sofia Santos e Teresa Gomes, as tias de trás-dos-montes)

(Uma pausa durante as filmagens)

0

Fotos do filme «A Canção de Lisboa»

 

(Vasco Santana e Beatriz Costa numa cena do filme «A Canção de Lisboa»)

(António Silva, Silvestre Alegrim e Manoel de Oliveira na cena do exame do Vasquinho)

(As tias e Vasquinho na cena após o exame final)

0

Programa do filme «A Canção de Lisboa»

 

43150MNT 17181a

MNT 17181bMNT 17181c

MNT 17181dMNT 17181e

MNT 17181fMNT 17181g

MNT 17181hMNT 17181i

MNT 17181jMNT 17181k

MNT 17181lMNT 17181m

MNT 17181nMNT 17181o

3

Vasco Santana canta «Enfim Doutor»

 

2320

Senhoras, tão encantadoras Tanta simpatia, quero agradecer Senhores, se tiverem dores Uma pneumonia, trato-os com prazer Lisboa já tem, agora em mim um doutor Para além de sábio, também, sou inventor Lá estou para os ver, para os injectar, para os abrir Para os retalhar, para os cozer, sempre a sorrir A minha satisfação, o meu calor e prosápia Estão nesta minha invenção, alegroterápia Curar a valer, não é para mim conseguir E então morrer por morrer, que seja a rir  
0

Vasco Santana canta o célebre «Fado do Estudante»

Umas das cenas mais célebres do filme, as mentiras de Vasquinho foram descobertas pelas tias, que o deserdam. A noiva Alice, havia rompido o noivado com ele. Tudo ia mal para Vasco. Carlos, o seu leal amigo de longa data, o leva ao Retiro do Alexandrino, com a intenção de arranjar emprego para Vasco como cantador de fados. Mas, a reacção de Vasco não é a melhor. Completamente embriagado grita em alto e bom som: "Abaixo os Fadistas", acabando por ser expulso de lá. Ao ir-se embora, já nas escadas, e ao ouvir o trinar das guitarras que vêm do retiro, Vasquinho começa a cantar este fado. 1264 "FADO DO ESTUDANTE" Que negra sina ver-me assim Que sorte e vil degradante Ai que saudades eu sinto em mim Do meu viver de estudante Nesse fugaz tempo de Amor Que de um rapaz é o melhor Era um audaz conquistador das raparigas De capa ao ar cabeça ao léu Só para amar vivia eu Sem me ralar e tudo mais eram cantigas Nenhuma delas me prendeu Deixa-las eu era canja Até ao dia em que apareceu Essa traidora de franja Sempre a tinir sem um tostão Batina a abrir por um rasgão Botas a rir, um bengalão e ar descarado A vadiar com outros tais E a dançar para os arraiais Para namorar beber, folgar cantar o fado Recordo agora com saudade Os calhamaços que eu lia Os professores da faculdade E a mesa da anatomia Invoco em mim recordações Que não têm fim dessas lições Frente ao jardim do velho campo de Santana Aulas que eu dava se eu estudasse Onde ainda estava nessa classe A que eu faltava sete dias por semana O Fado é toda a minha fé Embala, encanta e inebria Pois chega a ser bonito até Na radio - telefonia Quando é tocado com calor Bem atirado e a rigor É belo o Fado, ninguém há que lhe resista É a canção mais popular, tem emoção faz-nos vibrar Eis a razão de ser Doutor e ser Fadista Este fado ficou célebre na voz de Vasco Santana. A própria Amália Rodrigues, reconheceu que, embora ele não fosse fadista, Vasco Santana, cantou com alma e garra, como se fosse um profissional do fado. E ninguém mais voltou a cantar aquele fado como ele.
2

Beatriz Costa canta a canção «A Agulha e o Dedal»

Lembram-se desta cena, quando o Alfaiate Caetano (António Silva) obriga a filha, Alice (Beatriz Costa) a cantar a famosa música "A Agulha e o Dedal? É uma das cenas mais hilariantes do filme. Tente recordá-la:   "A AGULHA E O DEDAL" Vem cá minha agulha, tão meiga e tão fina Beijar os teus lábios de açucar pilé Então não me apanhas, sou esperta e ladina E mais retorcida, que as de croché Ai chega, chega, chega, chega ó minha agulha Afasta, afasta, afasta, afasta ó meu dedal Brejeira, não sejas trafulha Ó bela vem cozer o avental... - 1ª - Ó paizinho, eu bem te disse que esta do "a" que não dava - "a" - Mas isso é o paizinho que tem um vozeirão. ... do amor Ai chega, chega, chega, chega ó minha agulha Afasta, afasta, afasta, afasta ó meu dedal Brejeira, não sejas trafulha, oh não... És a mais bela fresca agulha em Portugal Bem sei que não me amas, por não ser de prata E que me desprezas por ser só de cobre Então tu não chores, bem sei que és de lata Também eu passajo na fralda do pobre Ai chega, chega, chega, chega ó minha agulha Afasta, afasta, afasta, afasta ó meu dedal Brejeira, não sejas trafulha Ó bela vem cozer o avental... - 2ª - Ai paizinho que esta agora ainda foi pior - Ó filha deixa lá o avental e continua ... do amor Ai chega, chega, chega, chega ó minha agulha Afasta, afasta, afasta, afasta ó meu dedal Brejeira, não sejas trafulha, oh não... És a mais bela fresca agulha em Portugal
0

Beatriz Costa canta a canção «Castelos no Ar»

 

101452461_10152076121464271_778153949_n

Todas nós temos na vida/ Uma ilusão mais querida/ Ilusão de amor/ Uma esperança mais formosa/ Um sonho cor-de-rosa/ Perturbador/ Também eu vivo a sonhar/ E vejo-me a passar/ Entre a multidão/ Quando um dia eu me casar/ Saindo com o meu par/ Cheia de emoção/ Pombas lindas, às centenas/ Vejo-as esvoaçar/ Pelo azul do céu/ Da cor das açucenas/ E do meu véu/ Julgo às vezes que é verdade/ E chego a creditar/ Que o bom deus o quis/ Que o meu sonho é realidade/ E que eu vou ser feliz/ Tem tanos encantos/ Sonhar castelos no ar/ Dormir, e não despertar/ Quem dera/ Viver no falso ideal/ Duma quimera/ Passar a vida a sonhar/ Logo após o casamento/ Eu sonho aquele momento/ Ideal para nós/ Em que iremos enlaçados/ Meigos namorados/ P’ra longe, a sós/ Num ambiente de ventura/ De paz, de frescura/ E de solidão/ Entre sombras de arvoredo/ Um beijo dado a medo/ Imagino então/ O aroma embriagador/ Da primavera em flor/ Embalsama o ar/ Desse jardim de amor/ Que vejo a sonhar/ E ele, o meu apaixonado/ Eu vejo-o ajoelhado/ Bem junto a mim/ Confessando, perturbado/ Uma paixão sem fim/  
0

«O'lhó Balão» canção extraída do filme «A Canção de Lisboa»

 

5446

"OLHÓ BALÃO" Olha o balão, na noite de São João Para poder dançar bastante com quem tenho à minha espera Ó-i-ó-ai, pedi licença ao meu Pai, e corri com o meu estudante Que ficou como uma fera Ó-i-ó-ai, fui comprar um manjerico Ó-i-ó-ai, vou daqui pró bailarico E tenho um gaiato aqui dependurado, Que é mesmo o retrato do meu namorado E tenho um gaiato aqui dependurado, Que é mesmo o retrato do meu namorado Toca o fungagá, toca o Sol e Dó, Vamos lá, nesta marcha a um fulambó Toca o fungagá, toca o Sol e Dó, Vamos lá, nesta marcha a um fulambó Olha o balão, na noite de São João, Para não andar maçado da pequena me livrei Ó-i-ó-ai, não sei com quem ela vai, cá para mim estou governado Com uma outra que eu cá sei Ó-i-ó-ai, fui comprar um manjerico Ó-i-ó-ai, vou daqui pró bailarico Tenho uma gaiata aqui dependurada Que tem mesmo a lata, lá da namorada Tenho uma gaiata aqui dependurada Que tem mesmo a lata, lá da namorada Toca o fungagá, toca o Sol e Dó, Vamos lá, nesta marcha a um fulambó Toca o fungagá, toca o Sol e Dó, Vamos lá, nesta marcha a um fulambó  
Pages:12
Put here your trakcing code, e.g. from Google Analytics.