Username:

Password:

Perdeu a Password? / Ajuda

Cinema Sonoro

 

Escritor conquistado pelos assuntos de ambiente de espionagem e de temas internacionais, em que a sua obra literária é pródiga, não custa a crer que, ao ser-lhe cometido o encargo da direção de um filme de fundo, a sua predileção por tais assuntos levasse Adolfo Coelho a escolher e a escrever um argumento desse tipo. E assim, nasceu Porto de Abrigo, a que o clima de guerra que então o mundo vivia, e que no argumento aflorava, contribuía para mais acentuar ainda o seu carácter de atualidade.  

 

O filme «Porto de Abrigo» é realizado por um homem que no domínio da curta metragem ocupava já um lugar bem à parte, tal a atividade empreendida, nesse campo, através duma repartição do Estado, a Direção Geral dos Serviços Agrícolas, onde a partir de 1929, o seu nome aparece a assinar a realização de filmes com nítido caracter de especialização.

 

 

 

Adolfo Coelho foi um importante escritor de obras de mistério, policiais e espionagem, universo esse que esteve na origem da sua única longa-metragem de ficção, PORTO DE ABRIGO, realizada em 1940 e estreada no início de 1941, intriga internacional desenrolada em Lisboa, que tinha a Segunda Guerra Mundial como pano de fundo. Mas a carreira cinematográfica de Adolfo Coelho decorreu sobretudo no campo do documentário e, especificamente, no filme de temática agrícola, género de que foi o mais importante e prolixo realizador em Portugal. Funcionário do Ministério da Agricultura, fundou e dirigiu a partir de 1929 os Serviços Cinematográficos do mesmo ministério (um dos organismos cinematográficos do Estado de maior longevidade), para os quais realizou dezenas de documentários nas décadas de trinta e quarenta. Esses documentários tinham como objectivo alertar os agricultores para as melhores práticas agrícolas, ao mesmo tempo que estimulavam os consumidores a comprar preferencialmente produtos agro-pecuários portugueses. Este seria o único exemplo de um filme de espionagem no cinema português.  
 

1587

(Partitura de uma canção do filme e cenas do filme «Pão Nosso»

588590

7562

 

505507

Argumento: Um casal distinto e viajado, vai viver para uma herdade no Alentejo, que adquiriu casualmente, para recuperar duma vida vazia sem atrativos. Aí, António de Figueiredo tem um incidente com uma jovem ceifeira, Teresa, cujo equívoco alimenta a vingança do marido, Joaquim, um camponês que eventualmente salvará a mulher de António, Maria Isabel, das garras de Jorge Meneses, um sedutor amigo da casa.

 560561

 

501502

Intérpretes: Leonor D'Eça - Maria Isabel / António de Sousa - António Figueiredo / Paiva Raposo - Joaquim / Selénio Calheiros - Jorge Meneses / Luísa Melanie - Teresa e ainda: Silvestre Alegrim; Emília de Oliveira; Carlos Flores; Mariana Alves; Carlos Alves; Henrique Campos... Realização - Armando de Miranda / Produção - Hamílcar da Costa / Fotografia - Salazar Diniz / Música - Jaime Mendes / Curiosidades: Baseado na obra de Gentil Marques e Leão Penedo. Duração aproximada: 94 mn. P/B Ano de produção: 1940

503504

 

 6124

Curiosidades: Este filme chegou até aos nossos dias incompleto e sem som. O filme era ambientado no Alentejo, terra natal do realizador e tinha argumento de Gentil Marques e Leão Penedo. O filme começou a ser produzido em 1938, mas algumas dificuldades técnicas atrasaram as filmagens e o filme só ficou pronto em 1940.

 1251256

   78

Do elenco faziam parte Leonor D’Eça, António de Sousa, Luísa Melanie, que se estreava, Paiva Raposo, Selénio Calheiros, Silvestre Alegrim, Emília de Oliveira, Carlos Alves e Ricardo Malheiro, tendo algumas das numerosas canções que o filme incluía sido interpretadas por Mariana Alves, Luís Piçarra e António Vilar. Estreia-se no Éden, a 12 de junho de 1940.

910

 

    68-0021

Armando de Miranda, que assinara já a realização de alguns documentários, faz este ano, com «Pão Nosso», a sua estreia no campo da realização de filmes de fundo. Baseado no romance homónimo de Gentil Marques e Leão Penedo, e com a ação localizada no Alentejo, «Pão Nosso» tem como autor da planificação e dos diálogos o próprio realizador. A fotografia é de Salazar Dinis, com a colaboração, em vários exteriores, de César de Sá. Jaime Mendes é o autor da música e a António Vilar, assistente-geral do filme, cabem ainda a autoria dos “décors” e os trabalhos de caraterização. A montagem pertence a Armando de Miranda e a Sousa Santos, assistidos por Regina Fróis.  
Pages:123456...3132
Put here your trakcing code, e.g. from Google Analytics.