0

O argumento de «A Dama que Ri»

 dama4dama7

Helena Lee fizera um casamento por conveniência. O seu temperamento não era compreendido pelo seu marido, Ernesto, que apenas se preocupava com a sua vida de banqueiro. Nelly, a filhinha, era o unico elo que os ligava ainda aos preconceitos deste mundo. Um incidente, entretanto, modifica o destino de Ernesto e Helena. Esta, envolta num escândalo, habilmente explorado por um jornalista sem escrúpulos, passa a sofrer a censura e o enxovalho de todos os que a rodeavam. Ernesto, instigado pela amante, aproveita o ensejo para requerer o divórcio. A causa é julgada. Farland, o advogado do banqueiro, ataca Helena. Esta, sentindo a injustiça da lei e impotente para se defender do acêrvo de mentiras que ouve, ri, ri de ódio e raiva. Condenada pelo juíz, a filhinha é entregue a Ernesto. Então, Helena decide vingar-se.

A sua primeira vítima é Farland, que não resiste à sedução. E utilizando Drown, o jornalista, ávido de escândalos, Helena revela ao público a moral de Farland. Este, depois de conhecer a alma do banqueiro, modifica o seu pensar sobre Helena, a quem ama já. Um beijo une-os para sempre. Ambos, porém, se esqueceram de Brown, que lograra tirar uma fotografia comprovativa das relações íntimas de Helena e Farland. De novo se encontram na perspectiva de um escândalo. Que fazer? Farland, decide participar ao director do jornal, a que o jornalista pertencia, que ele e Helena tinham resolvido casar. Era a única solução que podiam encontrar para evitar mais um escândalo, e para serem felizes em companhia da pequena Nelly.

dama3dama

Click to share thisClick to share this