0

O argumento de «A Canção do Berço»

 46

— Vamos. Tem coragem! Levanta-te, sai daí e vai trabalhar. És tão preguiçoso... - Falava Clara Serrano, diante de um fonógrafo, ensaiando os primeiros passos da nova dança que estudava para o acto de variedades ao qual pertencia. Já tinha cuidado de tudo, arrumado o quarto todo. Exercitava-se, pela luta da vida e aborrecia-se muito vendo a indolência de Jim, estirado sobre o leito, preguiçoso como ninguém e desalentado como nenhum outro. — Deixa-me em paz! Dança! Dança! até que te arrebentes... – diz-lhe o marido Eram palavras assim que ela ouvia sempre. Estavam casados há já algum tempo e embora amasse o marido com toda a sua força, nada mais fazia ela, do que sustenta-lo e ouvir-lhe os desaforos. Jim dormia e Clara fazia todo o serviço e ainda ensaiava para os bailados da noite. Ele tinha sido "chauffeur", mas depois de entrar para a vida de teatro, acha-a deliciosa e já não queria fazer mais nada. Mas o primeiro passo que ele e a mulher haviam dado para vencer, na arte, fora um tremendo fracasso. Clara conseguira colocar-se e ao esposo num número de variedades e, quando estrearam, foram os mais completos insucessos que já se haviam visto em todo o mundo. Ela desanimara um pouco. Passara a estudar com maior carinho, com maior dedicação. Ele, entretanto, vagabundo de origem, preferia continuar a dormir, sem ligar a nada, certo de que ela cuidaria de tudo, inclusive pela manutenção do lar... A vida, para ambos, faz-se um tormento. A senhoria não os deixa. E dinheiro não há para pagar os alugueres em atraso. A companhia de gaz acabara de cortar o combustível por falta de pagamento e, assim, nem sequer podem aquecer o leite do seu filhinho. Se ao menos tivesses o teu antigo emprego de "chauffeur”

  DSC092097

  "Chauffeur", eu?... Sei que agora só queres ser artista, bem sei... Mas o resultado é esta desgraça em que nos encontramos... E que culpa tenho eu? Sempre falavas num filho. Ele aí está. Sustenta-o! Depois, pensando melhor, dava a sugestão mórbida e inescrupulosa que lhe ditava o pouco escrúpulo de marido e a total ausência de amor de pai. — Queres-te ver livre dele? Interna-o num orfanato! Ninguém saberá. - Isso nunca! Eu dele jamais me separarei. E era a luta de todos os dias, a questão eterna que surgia por qualquer motivo. Levantava-se ele. Preparava-se, cantarolando, comia o pouco que havia por ali e saia. Á porta a mulher gritava-lhe, num assomo de desespero. - Sem o dinheiro do aluguer não me apareças aqui, Jim! E ele saia sem a menor intenção de lhe dar confiança...   A lembrança maior que acudiu ao cérebro de Jim, naquele instante, para ver se conseguia dinheiro, não para o aluguer da casa, não, mas para a jogatina que o espera, é procurar Ashmore, dono de uma importante fabrica e na qual seu pai fora empregado e pedir-lhe dinheiro. Ashmore, entretanto, veda-lhe todas as vasas e não lhe dá o menor "cêntimo" Aconselha-o a trabalhar e nem sequer dá ouvidos as lamurias dele quando cita a infelicidade da esposa e a fome do filhinho... CONTINUA...    
Click to share thisClick to share this