0

Ilda Stichini

1 (2) Ilda stichini foi uma das nossas maiores actrizes de teatro da primeira metade do século XX. De descendência Italiana, Ilda nasceu em 1895 na cidade de Elvas. Apesar da oposição de seu pai, Ilda integra uma companhia de declamação que percorria na altura o Alentejo e o Algarve. É assim que com apenas 14 anos de idade, se estreia em Cuba do Alentejo na peça «João José». Mais tarde muda-se para Lisboa. É aí que se estreia profissionalmente no teatro, pelas mãos de Eduardo Brazão, que quando escreveu as suas memórias afirmou: «Regozijo-me de ter sido o seu primeiro guia no Teatro. Stichini é a nossa melhor ingénua». Em 1922 protagoniza o filme «O Centenário». A 27 de Março de 1924, Ilda teve na interpretação do papel principal da peça «Ingleses», do dramaturgo Lorjó Tavares, posição de relevo. O seu notável trabalho, ao lado de José Ricardo, mereceu os maiores elogios da crítica e do público, que a clamou durante os dois meses que a comédia esteve no cartaz do D. Maria. Participou em inúmeras peças, sempre alcançando enorme sucesso: «Os Fidalgos da Casa Mourisca», «Se eu quisesse», «Um Bragança», «Sonho da Madrugada», «Rainha Santa», «A Morgadinha de Valflor», «O Meu Amor é Traiçoeiro», entre muitas outras. 2 (2) Formou uma Companhia teatral com que viajou por toda a província apresentando as peças «Simone», «O Centenário» e Os «Mosquitos». Os actores da Companhia eram Luz Veloso, Rafael Marques, Gil Ferreira, Joaquim d' Oliveira, Luiz Filipe, Maria Carlos e Maria Emília. Artista de extraordinária intuição e de incontestável talento soube através de uma carreira brilhantíssima, afirmar bem alto o seu valor de comediante, o seu temperamento de declamadora exímia, as suas qualidades para a difícil arte a que tanto se dedicou. Foi cantora lírica, pois possuía uma voz lindíssima. Em meados de 1931, Ilda stichini planeando uma tournée à província, pediu a Vasco de Mendonça Alves que lhe escrevesse qualquer coisa para ela e para Alves da Costa. Mendonça Alves acedeu ao pedido e escreveu um diálogo, que intitulou «Os Gatos», e em que um rapaz e uma rapariga do povo, ele serralheiro, ela vendedora de figos, se encontravam em plena rua, num derriço mais ou menos felino. Ilda Stichini, depois de ouvir ler o diálogo, lamentou que ele não tivesse uma segunda parte; escrita a segunda parte, comentou que era pena que não tivesse terceira; Vasco Mendonça Alves escreveu terceiro diálogo – e os três diálogos acabaram por constituir os três actos de uma peça, não com o título de «Os Gatos», mas com o título de «Meu Amor é Traiçoeiro». A primeira representação da peça efectuou-se em Leiria em princípios de Dezembro e a 13 do mesmo mês, subiu á cena em Lisboa, no Capitólio, com assinalado êxito. 4 Certo dia, em finais dos anos trinta, a América tentou-a. Para lá partiu. Lá como cá, os êxitos não pararam e, em recitais oferecidos à colónia portuguesa, Ilda Stichini soube provar que a Arte não tem fronteiras. A morar na Califórnia, passou a exercer a profissão de professora de português, francês, espanhol e arte dramática numa Universidade de Hollywood. Não mais voltou a Portugal. Faleceu em Setembro de 1977. 3
Click to share thisClick to share this