0

Brunilde Júdice

brunilde2 Brunilde Júdice Caruson, de seu nome completo, nasceu em Milão, Itália a 11 de Maio de 1898. Era filha da grande cantora portuguesa Maria Júdice da Costa e do cantor Guglielmo Caruson. Com apenas 7 anos de idade vem para Portugal com os seus pais. Um ano antes da estreia de Brunilde Júdice no cinema, isto é em 1920, esteve em casa de seus pais uma senhora francesa que se dedicava à actividade cinematográfica. Falou-se muito de cinema e essa senhora convidou a pequena Brunilde, ao tempo com quinze anos, para entra num filme sobre motivos piscatórios de Portugal. Nessa altura já a jovem Brunilde estava entusiasmada com o cinema. Recebeu, pois o convite com bastante alvoroço. Mas o filme nunca chegou a se estrear. A sua estreia dá-se no cinema em 1921, com o filme «Amor de Perdição» de Georges Pallu. A crítica rende-se ao seu talento e beleza. Nesse mesmo ano filma «Mulheres da Beira» de Rino Lupo, filme que estreará apenas em 1923. Ainda em 1921, dá-se a sua estreia no teatro Politeama, com a peça «Sol da meia-noite», de Portinov.     29 Seguem-se várias peças teatrais tais como: «A casa Encarnada» e «Garçonne» e o filme «Tempestades de Vida» de Augusto de Lacerda. Entretanto parte para o Brasil, integrada na Companhia Erico Braga/Lucília Simões. Com o regresso da companhia a Portugal, Brunilde Júdice decide ficar a viver no Brasil, onde permanece até 1927. De regresso a Portugal volta novamente ao Brasil agora com a Companhia de Chaby Pinheiro. Em 1931 regressa ao cinema com o documentário «A Voz do Operário - catedral do Bem» de António Leitão. Embora considerada como uma Diva do Cinema Mudo Português, será no teatro que Brunilde Júdice triunfará, onde terá uma longa carreira. Chega a formar uma companhia com o actor Alves da Costa, com quem entretanto casa. Surge nas peças «O Noivo das Caldas» em 1932; «A Serpente» em 1933, entre outras. No cinema, participa nos filmes: «Ladrão Precisa-se» em 1946; «Amanhã Como Hoje» em 1948; «Ribatejo» em 1949; «O Cerro dos Enforcados» e «Quando o Mar Galgou a Terra» ambos em 1954 e despede-se das telas com o filme «Traição Inverosímil» em 1970. Em 1962 ganha o prémio «Lucinda Simões», como melhor actriz do ano. Morre a 31 de Dezembro de 1979. brunilde4
Click to share thisClick to share this