0

O cinema português prossegue sua actividade

1 Estamos em 1933, a Europa encontra-se politicamente dividida. Hitler havia levado ao poder na Alemanha o Partido Nazista em 1933. Esse novo partido, com as suas ideias opressivas leva a que muitos alemães, não só apenas de descendência judaica, fujam não só para os E.U.A, mas também para a Europa Ocidental, principalmente para França. Entre esses refugiados encontravam-se muitos técnicos e actores do cinema alemão. Em Portugal vivíamos também num regime totalitário. Em 1933 havia sido formado o Estado Novo, António de Oliveira Salazar havia sido nomeado Presidente do Conselho de Ministros, e o País vivia um tempo de recessão em todos os aspectos. No entanto, apesar de todas as dificuldades, quer a nível técnico quer a nível financeiro, o cinema português continuava a existir. Por isso, em 1934 é criado em Portugal o Sindicato Nacional dos Profissionais de Cinema, que enquadrava os profissionais de cinema de todo o País. Em 17 de Agosto desse ano é inaugurado os Estúdios da Tobis Portuguesa, na Quinta das Conchas, ao Lumiar. Em 25 de Agosto é assinado um contrato entre a Lisboa Filme e a Tobis através do qual, a Lisboa Filme fica encarregue de todos os trabalhos de laboratório e operações correlativas necessárias para os filmes produzidos pela Tobis. 99
Click to share thisClick to share this